sábado, 30 de agosto de 2008

Sobre o que restou de lá

De longe
se podia ver
a dança do que sobreviveu.

A poeira na lembrança
de um quintal
sem dor ou pecado.

Ao longe se podia ver
nos olhos da menina
a dança de flores castanhas
de um passado vendido/roubado.

3 comentários:

Diego disse...

Ô Guria... desculpa ter abandonado a Panela... mas juro que não vou sumir por muito tempo denovo... bjos e se cuida



Guria Mais Linda de todas!!!!!!!!

animalsentimental disse...

que bonita a poesia que vc deixou lá no meu blog!!!
adorei! :)

Thálita M. Melo e personagens. disse...

Nunca é tarde pra retornar, Diego!
A panela de pressão é sempre aberta pra você!
Vixi...