quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

O perfume de Maria Flor.

Assim como o nome, Maria Flor era meio mulher, meio vegetal. Falava que nem mulher e sonhava como vegetal. Vegetal que sangrava todo mês e nem sabia o motivo, mas fazia gosto de sangrar: a vida ficava menos amarela, de fato.
Numa revista, viu foto clássica de pintor com paleta e pincel em mãos. Arrepiou até a última pétala, quis ter cor de aquarela e perfume de violeta, por desconfiar que cheiro de mofo espantava sonho, tratou logo de usar o perfume (ganhado da antiga patroa) sempre antes de dormir. Era um pecado cometer tal luxo, o pecado do desperdício, que diziam ser o 8º Pecado Capital. Pouco ligava, se tornava mulher por inteira e conseguia sonhar.
Pra um semivegetal, sonhar era proeza das mais ousadas, quase falta de modos de tão absurdo, era a tela do pintor da revista em movimento.
Movimento também era coisa rara, vaidade.
Maria Flor não era feia, tinha sorriso.Motivo pra sorrir era o que faltava um pouco, daí tratava logo de dormir.
O problema foi não lembrar que perfume é coisa que acaba, mesmo com sonho.E junto com o aroma, foram as tintas, quadro e pincel.
Ficou o mofo.

De crescer.

Descobri que cresci quando parei de sonhar com discos voadores na minha janela.E quando não imaginava mais pra quem eu mandaria beijo no programa da Xuxa.
Também ao ver que chinelo de adulto não sobrava mais no pé, e, portanto não tinha mais graça.
Descobri que cresci, depois de conseguir terminar uma bala de Halls preto sem reclamar nadinha.
E quando me disseram que não precisava prender a respiração pra economizar ar no mundo, não faltaria.
Também, quando não tive mais assuntos pendentes com o chuveiro ciumento.
Percebi que cresci quando desisti de pintar o mundo.
E quando o giz-de-cera passou a lembrar imagens opacas e cada vez mais distantes.
Principalmente, ao explicarem que o arco-íris podia ser explicado, desmistificando a palavra fenômeno.
E ao ter o primeiro contato com a química, que sem pedir, teve a indelicadeza se de apresentar e tirar a magia das coisas-sem-magia.
Percebi, quando o instinto materno bateu na porta tão forte que ensurdeci.Mas cresci mesmo, foi quando me disseram, que amor não é de graça, é desgraça.

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Calendário
fez greve
de regras.

ao deusdará?
Concreto
do meu coração
derreteu
de isopor.
[virou casca de árvore]
sumi
voltei
sumi
voltei
(as)sumi:

errei.

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Concorrência
me faliu.
Quem foi que mandou
eu ser palhaço no Brasil?

[eu me demito
ito
ito
ito..]
Maria Flor
teve um sonho:
cidademaravilhosa
feita de mar-e-céu.
Maria Flor acordou:
teve sede do azul.

Maria Flor se afogou
no próprio destino
amarelo.
um pé-de-valsa
um pé-de-salsa

ando meio
paralítica.

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

toquei o céu
aquele ali
no fundo
infindo
pano pregado:
cúmplice.
Alegria
tem gosto
de vida molhada.

Chuva parou
entristeci.

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Sapato
não tem
cheirodepalavra.

Sapato
não tem
cordefumaça.

Vou descalço.
é boemia
aquela fase
onde se canta
mais que escuta.
Se perde
e ferve
e ferve.
Deixei
o fogo
aceso.

[Acho que vou explodir]

Sentimental

Violentei
o chão
com giz
e chuva
de poesia.

Sou sensível demais, meu deus!
Eu caso
Tu casas
Ele casa-tijolo-cimento.
ciumento que era
[o casal.
Removo
montanha
sem
fé.

Tratar com (32) 3221 1234

[não fazemos entregas à domicílio]

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

Esperar termina.

segunda-feira, 22 de outubro de 2007

O ouvido
desafinou
a canção.

[Quebrei o espelho da minha razão?]
Banda passou
povo aplaudiu
carnaval acabou
vida dormiu.

Dezembro é Natal.

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

Que falta
que faz
cometer
um pecado.

Céu apertado esse.
Cantei Chico
Citei Drummond
Pintei Tarsila
Senti Elis
Inventei Clarice
Gritei Raul...

...engoli o choro.
Troquei sapatos
óculos
aspas
grades

Por um pouco de tinta e papel.
o trem
ecoa
o canto,
o pranto.
E parte
na dor
que chega
de lá.
Vazio que era o trem.

terça-feira, 9 de outubro de 2007

De repente



cor.

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Ele e Ela nº 3

Ele flui
Ela venta
balança
inventa.

Ele existe.

domingo, 23 de setembro de 2007

Queria mesmo é ser o céu.

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Branco in preto
Preto in branco.

Bicho homem quer
[comer.
A canção
do golpe
que não vivi
arde
meu
fracasso
Juventude-nasceu-morta.
Chover-faz-tempo.
inventei a seca?

sequei o tempo?

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Virgínia no rio, aflita.
Clarice aflita, fuma.
E restam letras
livros
lendas.
Sem alma.
Escrever é
rabiscar
impulsos
pausados
forçados.
Escrever é.

que pousa
na fome
na seca
no estômago.
Salva?

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Suave
deslize
de abril.

o-vento-parou-o-tempo.
E josé não estava lá.
Tédio
cheira
tinta
mofada.

Overdose de paz.
Carta
corre
saudade
fica
menos
saudade.
Alma é vento
que não passa
não toca:
Encarde.
Sopro leva
aflição longe
Gozo mata
o sopro lento.

domingo, 19 de agosto de 2007

Ah Minas Gerais:
Silhuetas verdes entediadas na estrada, queijo em forma de pão, poesia sem pretensão.
Causos das língas que aos poucos engolem de tanto prosar.
Ah! Minas Gerais:
-O que te entorta não cresce jamais.
O tempo não te esmaga, Minas Gerais.

E mesmo quem sofre em teu seio, não é capaz de beber de outra fonte.

sábado, 18 de agosto de 2007

E será o mundo feito de um orgasmo de Deus?

domingo, 12 de agosto de 2007

Diafragma Sentimental.

Respirar e ao respirar: Respirar.
Respire um pouco mais.
E só respire, respire.
Respire!
Respire!
Respire...


Até explodir sem vez.

sábado, 11 de agosto de 2007

A paisagem dança por fora.
A paisagem dança por fora de mim.
Eu danço sem paisagem de fora.
A paisagem passa.
A paisagem é cega e torta.
Envenena sem culpa.

A paz, A paz, A paz não serve agora.

quarta-feira, 1 de agosto de 2007

Como bênção.

Como em lenço úmido depois de um dia de sol, me abençoe.

terça-feira, 31 de julho de 2007

Da avó.

-Mãe!Mãeee, me dá uma bicicleta???
-Ah...mas você já tem uma cadeira de rodas, filho!

[um minuto de silêncio por favor.]

segunda-feira, 2 de julho de 2007

Dos olhos da atriz

-Corta!Corta!
E ainda nem começou.Eu preciso de luz:
E da cor, e do som e do rouge!

-Palmas,Palmas!
Ensurdecer ao som do calor das mãos vaidosas.

[Se Por aqui resolvo morrer
E n'outra cena sem tom
do sexo zombar
sem gosto ou prazer

Da fantasia o meu poder
e entre um palco e outro:
Ser & não ser.]

As mil poesias com meu nome e olhar, envaidecem-me.
E grito, e grito como quem desfaz do amor
E sem perder de muitas vidas,
troco meu nome, meu roteiro, meu glamour.

E não há sequer um fim de mim.

sábado, 30 de junho de 2007

A testemunha.

Sr Juíz, seríamos tão fortes quanto a chuva?Como ela segura-se tão forte no céu demorando-se para cair?
Sabe Sr Juíz o céu pode não ser tão infinito quanto se pensa.Pode ser sufocante e raso ,o céu também pode matar.
O céu costuma matar a chuva, não é de hoje que o faz.
E eu tenho medo,medo do céu.

E temino meu testemunho,alegando que o céu é culpado.

A bailarina infiel.

Danço e embriago vidas.
Salto e com o ar me iludo.
Pairo e sem sentir o corpo,
pouso confundindo o vento.

Sem sapatilhas
com os pés no chão
prometo ao fogo
uma conciliação

E se me impedires
desafiar o vento
trairei ao santos
como traio o tempo

E ao deslisar
sob céu desfeito
finalizo a dança
num passo imperfeito.

a carta da mulher que tenta.

Preciso escrever aqui, preciso escrever e inscrever.Fazer a mitose das letras tomando um simples café gelado e tudo pra mostrar que sou mais uma,mais uma que brinca com letras finas.
Esse jogo de palavras sem nenhuma conexão, só para impressionar você que não sabe da minha alma, da minha cor,do meu sabor.Eu que me limito em espírito e tom, meio torto,meio desafinado por vezes, tão alto que demancho seu vidro em cacos sinuosos e opacos como a sua voz .Som estático sobre os meus lençóis.Encontra um vegetal.Procura a carne.Encontra um vegetal.Mais uma carta aflita de uma mulher que por não ser a sua,lhe parece mais amável.Aumento o tom da voz,mas as letras continuam iguais.Não me perceba, quando percebe,aborrece-me.