domingo, 19 de agosto de 2007

Ah Minas Gerais:
Silhuetas verdes entediadas na estrada, queijo em forma de pão, poesia sem pretensão.
Causos das língas que aos poucos engolem de tanto prosar.
Ah! Minas Gerais:
-O que te entorta não cresce jamais.
O tempo não te esmaga, Minas Gerais.

E mesmo quem sofre em teu seio, não é capaz de beber de outra fonte.

Um comentário:

marcos vinicius disse...

Eu não beberia de outra fonte...
Presumo que você também não hehehehe...

Muito bom esse! NOSSA, fiquei boquiaberto novamente.